[PDF] ↠ As Memórias Secretas da Rainha D. Amélia Author Miguel Real – Larringtonlifecoaching.co.uk

As Memórias Secretas da Rainha D. Amélia Furtado Do Esp Lio De Salazar Aquando Da Invas O Dos Seus Antigos Aposentos No Dia 25 De Abril De 1974, O Manuscrito As Mem Rias Secretas Da Rainha D Am Lia, Escrito Nos Ltimos Anos De Vida E Doado Pela Pr Pria Casa De Bragan A, Em Lisboa, Atrav S Da M O Do Chefe Do Estado Novo, Foi Recuperado Em S Fia, Na Bulg Ria, Na Comemora O Do Centen Rio Da Rep Blica, Por Miguel Real, Que Foi Incumbido De O Depositar Na Torre Do Tombo, J O Tendo Feito Neste Manuscrito, A Rainha D Am Lia Retrata A Sua Vida Em Doze Pequenos Cap Tulos, Equivalente A Um Por Cada M S Do Ano, Organizados Em Quatro Grandes Partes, Seguindo O Ritmo Das Esta Es, Da Primavera, Na Inf Ncia, Ao Inverno Triste Da Sua Velhice Um Documento Pungente, Doloroso E Comovente, Fortemente Cr Tico De Portugal E Dos Portugueses, Permanentemente Iludidos Pelas Artimanhas De Elites Ineptas E Ignorantes.

10 thoughts on “As Memórias Secretas da Rainha D. Amélia

  1. says:

    Pela primeira vez em muito tempo n o consegui acabar de ler um livro, uma escrita parecida com Saramago, mas chegam se a passar tr s e quatro p ginas sem um nico par grafo Uma escrita demasiado espec fica, com demasiadas descri oes, exa...

  2. says:

    110 p ginas no meu e book de uma escrita que n o gostei Miguel Real j n o me tinha entusiasmado como escritor numa outra obra que li A Voz da Terra , sobre o Terramoto de 1755 , mas pensei que talvez fosse diferente nesta obra, dei o benef cio da d vida.A primeira parte constitu da por uma esp cie de introdu o em que nos explicado, de uma forma abrupta, confusa, diria mesmo ca tica, o modo como no seguimento da Revolu o dos Cravos 25 de Abril 1974 , um soldado encontra o manuscrito das mem rias da Rainha D Am lia no escrit rio de Oliveira Salazar e o esconde Este soldado, em 1976 vai para a Bulg ria, onde se apaixona e casa Nos anos 90 o narrador autor vai de visita Bulg ria e conhece a filha desse soldado, entretanto falecido, que lhe deixou o manuscrito ent o entregue o manuscrito ao narrador autor para que o leve para a Torre do Tombo, em Lisboa.Na fase seguinte temos as mem rias da Rainha, sendo ela a narradora, embora me pare a completamente inveros mil que fossem palavras da Rainha, pela forma como a narrativa estruturada, o tipo de linguagem Para ser um romance hist rico, deveria se...

  3. says:

    Clube de Leitura Manuel Teixeira GomesBMMTGN o gostei deste livro no geral mas houve alguns momentos que apreciei bastante.A introdu o s memorias foi confusa, galopante e divertida, e triste ao mesmo tempo Tal como em parte se sup e terem sido os tempos da revolu o Obviamente que muito inveros mil mas sendo fic o at sabe bem Aqui, a escrita sem par grafos nem pontua o, que permitem que frases saltem por cima umas das outras e se atropelem, que se exagere na listagem de atributos, acidentes e outros que tais um artificio que acentua a ac o atribulada daqueles tempos assim como nos insere mentalmente dentro da incerteza social, politica e psicol gica do p s 25 de abril.A parte das memorias desiludiu me porque continuou no mesmo estilo de escrita e obvio que deveria ser diferente, tanto o vocabul rio como a poca e a pessoa exigiam um n vel mais cuidado Compreendo que seja...

  4. says:

    Este livro est dividido em duas partes A descoberta do di rio da rainha D.Am lia, e o di rio propriamente dito.A 1 parte ,5 estrelas, a escrita corrida sem pontos, enumerando os pontos chaves da revolu o de Abril transmite o ritmo fren tico desses dias meses.O di rioa est escrito da mesma forma, o que me soa a falso, escrito por outra pessoa, doutra poca, devia de ter outra cad ncia, outro vocabul rio,No en...

  5. says:

    Mais um bom livro de Miguel Real com mem rias verdadeiras, com hist rias muito interessantes dos ltimos anos da monarquia e do inicio da primeira rep blica e da ditadura A passagem da viajem de comboio para Sintra, com o D Carlos e os vencidos da vida entre eles o grande E a...

  6. says:

    Vale pelo que denuncia, na poca, em que reinou, vinda de um pa s muito mais desenvolvido e caindo noutro, que era o oposto de tudo o que conhecia Vale por nos mostrar que pouco ou nada de relevante mudou no pa s at aos nossos dias, salvaguardadas as diferen as de poca e de estilo.

  7. says:

    Muito bem escrito mesmo, um pouco nost lgico mas um excelente romance hist rico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *